Alvenaria Estrutural

Indicadores

Alguns indicadores podem ser utilizados para balizar as decisões e o gerenciamento de um empreendimento em alvenaria estrutural, e também medir o nível de racionalização do processo. Um deles é a produtividade, que tem como principal função integrar um sistema de informações que permita amparar decisões futuras. Essa informação é importante nas fases de projeto e planejamento do empreendimento, mas é fundamental mesmo na fase de produção, permitindo um adequado gerenciamento das equipes, atividades e cronograma de obra.

O indicador de produtividade permite ao empreendedor analisar tendências, desenvolver ações de motivação, conscientização e sensibilização da mão de obra, aperfeiçoar ou desenvolver os métodos construtivos e prever o consumo de mão de obra e a duração dos serviços.

As informações para cálculo e análise da produtividade podem ser obtidas através de observação contínua das equipes, informações fornecidas pelos encarregados e dados da folha de pagamento. A produtividade pode ser expressa por períodos, podendo ser diária, cumulativa, potencial, por ciclo etc.

A produtividade na alvenaria estrutural é expressa por m² x homem / dia ou m²/ dia, onde se mede a quantidade de trabalho realizada por um homem ou por uma equipe em um período de tempo. Dessa forma, por exemplo, um operário com produtividade de 8 m² x homem / dia significa que um homem executa 8 m² em um dia.

Outra forma de expressar a produtividade é através da Razão Unitária de Produção (RUP), que é dada por:

RUP = Hh
           Qs

Onde:
Hh = homens-hora da equipe disponíveis para o trabalho
Qs = quantidade de serviço líquida

Fonte: Prof. Dr. Ubiraci Espinelli


No caso da alvenaria estrutural, a RUP é dada por Hh/m², o que significa a quantidade de homens-hora necessária para a realização de um m² de alvenaria. Assim, uma RUP de 3,5 significa que são necessárias 3,5 homem-horas para a realização de 1 m² de alvenaria. Portanto, quanto mais alta a RUP, pior é a produtividade da equipe, ou seja, são necessárias mais horas-homem para executar determinado serviço.

Diversos fatores podem gerar a variação da RUP, sendo que o gerente da obra deve estar atento a eles:

Fatores ligados ao contexto:

  • Condições meteorológicas
  • Formação e tamanho da equipe
  • Motivação do pessoal
  • Forma de pagamento
  • Tipo de equipamento de transporte etc.

Fatores ligados a anormalidades:

  • Chuva torrencial
  • Falta de material
  • Falta de instrução
  • Falta de equipamento
  • Falta de frente de trabalho etc.

Assim, é de extrema importância analisar continuamente as variações da RUP, de forma que se possa identificar e eliminar possíveis "gargalos" na produção.

O gráfico a seguir apresenta um exemplo de acompanhamento de produtividade:

Análise de viabilidade

Comparar custos na construção civil é uma tarefa difícil. Temos os mais diferentes tipos de obras quanto a tamanho, padrão de acabamento e velocidade de construção. A análise de viabilidade de empreendimentos depende de diversos fatores, como mostra a tabela a seguir:

Item O que deve ser considerado
Terreno O custo do terreno e os custos de possíveis intervenções mediante sua condição (corte e aterro, muros de arrimo, fundações reforçadas etc.)
Tipologia Número de unidades, de torres, de pavimentos, de unidades por pavimento, área útil, área do pavimento, área do empreendimento, áreas comuns etc.
Prazo de execução Quanto menor o prazo de entrega, maiores serão os custos devidos à adoção de práticas que visam acelerar o processo construtivo, incluindo, por exemplo, a contratação de mais mão de obra, utilização de equipamentos de maior custo e materiais com mais tecnologia.
Produtividade Ela determina os prazos de compra e entrega de materiais e, no caso da alvenaria estrutural, está diretamente ligada à remuneração da equipe.
Custos diretos

Materiais: além dos insumos básicos, conta muito o padrão de acabamento do imóvel.

Equipamentos: há diversas opções e custos bem variados. Em geral, os equipamentos que mais impactam no custo são os de transporte vertical e horizontal, corte de blocos, preparação / mistura de argamassa e graute e aqueles utilizados para fabricação de elementos pré-moldados em canteiro. Para garantir o melhor custo x benefício, é necessário avaliar quais são as melhores opções para cada empreendimento.

Mão de obra: há uma grande diferença entre os custos com mão de obra própria e a contratação de empreiteiros. Alguns itens devem ser levados em conta: salários e benefícios, gratificações, impostos, despesas com transporte e alimentação, dias parados, treinamentos, custos de recrutamento etc. Outro fator é o rateio das despesas com profissionais que atendem a mais de uma obra, como ocorre com os engenheiros.

Despesas administrativas: devem ser considerados os custos com pessoal administrativo, instalações provisórias e canteiro, consumos de água, luz, impostos, elementos de segurança (EPI, bandejas, telas etc.), entre outros. Neste último item, a alvenaria leva bastante vantagem, pois a obra já sobe com o fechamento lateral

Custos indiretos (BDI) Custos com bonificação / lucro e custos relativos ao escritório central da construtora (principalmente em obras mais lentas).
Marketing e comercialização Custos com divulgação, estande de vendas e apartamentos decorados.
Manutenção As despesas posteriores à entrega da obra podem ser significativas. Às vezes, um material mais barato que diminuiu o custo da obra gera defeitos e manutenções onerosas à construtora. Dados médios dessa natureza apresentam valores de 1% a 3% do valor da obra. A alvenaria estrutural apresenta custos 50% inferiores ao processo convencional devido ao menor número de interfaces de materiais

 

Conheça algumas ferramentas que podem ajudá-lo na análise de viabilidade de empreendimentos em alvenaria estrutural:

Análise de viabilidade do sistema

Consiste num orçamento simplificado para uma análise básica da viabilidade de empreendimentos. A planilha permite o cálculo para até três tipologias diferentes no mesmo empreendimento. Consulte também o manual de utilização. Acesse:

Planilha de Análise de Viabilidade do Sistema
Manual de utilização da planilha

 

Casa 1.0

Apresenta o modelo de orçamento para a Casa 1.0 (modelo 1), protótipo para habitação de interesse social. Ao utilizar a tabela, deve-se conferir e alterar os valores, de acordo com as condições e preços da região considerada. Acesse:

Casa 1.0 - Projeto e Planilha de Orçamento