Parede de Concreto

Projeto arquitetônico

A tecnologia baseada na moldagem de paredes no local utilizando fôrmas preenchidas com concreto oferece as condições desejáveis de escala e velocidade para a construção de grandes e médios conjuntos habitacionais ou até pequenos bairros.

Mas, para obtermos o máximo desempenho e competitividade do sistema, é fundamental que o produto seja concebido tendo como base as variáveis e condições intrínsecas ao sistema construtivo.

Conceitos de padronização, coordenação modular e organização da produção são a base para o desenvolvimento do projeto arquitetônico.

Praticamente qualquer projeto arquitetônico pode ser construído com paredes de concreto. Porém, ao seguir os pontos descritos aqui, o projetista estará trabalhando para que o seu projeto atinja o máximo de desempenho ao ser executado, refletido em menor prazo de execução, menor custo, minimização de imprevistos e maior qualidade do produto final.

Projeto

"Pode-se definir arquitetura como construção concebida com a intenção de ordenar e organizar plasticamente o espaço, em função de uma determinada época, de um determinado meio, de uma determinada técnica e de um determinado programa." Lúcio Costa

A definição de Lúcio Costa para a arquitetura apresenta, entre outras coisas, a adoção de uma determinada técnica como influenciadora e definidora do produto arquitetônico.

Disponibilizar ao arquiteto novas variáveis que alimentam o desenvolvimento de seu projeto não é "engessar" ou limitar a sua criatividade. Ao utilizá-las, o arquiteto aprimora o potencial construtivo de seu projeto e aproxima o produto concebido do produto efetivamente executado.

A máxima popular de que no Brasil a maioria das obras começam "na correria", sem projeto e sem planejamento, não tem mais lugar neste cenário de alta demanda e produção de edificações. Quanto mais racionalizado o processo, maior a necessidade de ganharmos tempo projetando e pensando antes do início da obra.

Principais variáveis de projeto que influenciam o desempenho e a competitividade

a. Modulação

Recomendação
Utilize medidas múltiplas de 10 cm tanto nas dimensões horizontais (espessura de paredes, dimensões internas dos ambientes, vãos de esquadrias), como nas verticais (pé direito, piso a piso, peitoris).

Desde 01/10/2010 está em vigor a nova norma brasileira NBR 15873 – Coordenação modular para edificações. Esta norma estabelece, entre outras coisas, a dimensão de 10 cm como módulo mínimo a ser adotado em todos os elementos da construção. Além disto, ela determina que cada fabricante incorpore no seu produto as folgas e tolerâncias necessárias para a instalação.

Por exemplo: se um revestimento cerâmico de 40 x 40 cm necessita de uma junta de 4 mm, a medida real de cada peça será de 39,6 x 39,6 cm, garantindo que o módulo final seja múltiplo de 10 cm (neste caso, cada revestimento colocado estará inserido em um grade de 40 x 40 cm).

Outro exemplo são as esquadrias, que deverão considerar em seu projeto o espaço necessário para a fixação, garantindo que o vão na parede seja múltiplo de 10 cm.

Um dos grandes favorecidos com a coordenação modular é o sistema de fôrmas, pois, por contarem com painéis também modulados, poderão ser aplicados nos mais diversos projetos (desde que estes também estejam modulados) com poucas ou nenhuma adaptações.

b. Simetria

Recomendação
Nos edifícios, projete apartamentos simétricos nos dois eixos em planta: longitudinal e transversal. 

Esta recomendação aplica-se à construção de edifícios multipavimentos. No caso de casas térreas ou mesmo sobrados onde temos fôrmas para a totalidade do pavimento, ela não é relevante.

A fim de podermos criar equipes de montadores de fôrmas independentes das equipes de armação e instalações, é importante "dividirmos" a montagem/concretagem em trechos de 1/2 ou até 1/4 de laje.

Essa simetria do projeto permite "girar" as fôrmas sem a necessidade de retirarmos painéis de fôrmas ou acrescentarmos os chamados "painéis de ciclo", maximizando a produtividade e garantindo o ciclo.

c. Alinhamento de paredes

Recomendação
Alinhe o máximo de paredes possível.

As fôrmas de paredes são compostas por painéis individuais, que podem ser pequenos e leves ou grandes e pesados. Nos dois casos, o menor número de eixos a serem lançados facilita o posicionamento e alinhamento desses painéis, daí a importância de termos o maior número de paredes alinhadas, principalmente as paredes internas.

d. Padronização vertical

Recomendação
Projete os pavimentos pré-tipo (térreos, subsolos etc.) e pós-tipo (coberturas, platibandas) utilizando a mesma disposição de paredes dos pavimentos-tipo = "parede sobre parede".

O sistema de paredes de concreto moldadas no local beneficia-se da padronização e da repetitividade das estruturas. Por isso, quanto mais estruturas e pavimentos iguais, mais rápidos e regulares serão os ciclos de concretagem.

Nos edifícios mais altos, é comum que salões de festas, salas de ginástica, recreação etc. fiquem nos pavimentos térreos. A fim de evitarmos a necessidade de complexas estruturas de transição nesses pavimentos, é importante criarmos configurações onde os acessos ao prédio e às áreas comuns mantenham a projeção das paredes estruturais dos pavimentos-tipo no térreo.

Da mesma maneira, recomenda-se evitar coberturas e platibandas com estruturas complexas, permitindo o uso das fôrmas de pavimento-tipo (ou parte delas) para sua execução.

e. Instalações Elétricas e Hidrossanitárias

Recomendações

Elétrica
Reduza o número de eletrodutos nas lajes e evite o cruzamento entre eles.

Hidrossanitária
Agrupe ao máximo os banheiros e a cozinha nas unidades, diminuindo o número de paredes hidráulicas e de shafts de descida.

Os processos industriais buscam isolar atividades, a fim de aumentar o controle sobre cada uma e, consequentemente, sobre a qualidade final do produto. Portanto, devemos procurar retirar o máximo de atividades "complementares" do momento de montagem e concretagem das paredes. 

O posicionamento dos eletrodutos não interfere na montagem das paredes, pois é feito por equipes independentes e antes do início desta operação. No caso das lajes, porém, os eletrodutos devem ser posicionados logo após a montagem das fôrmas de lajes e antes da concretagem, daí a importância de termos o menor número possível de eletrodutos, a fim de agilizarmos esta tarefa. Além disto, ao evitarmos o cruzamento desses eletrodutos, estaremos reduzindo o risco de serem amassados durante a montagem / concretagem.

Nas instalações hidrossanitárias, ao agruparmos as áreas molhadas reduziremos a quantidade de tubulações que necessitam "correr" pelos forros até os shafts.

Também visando aumentar a velocidade de montagem e concretagem das lajes, muitas construtoras estão optando por não deixar tubos ou inserts para tubulações nas lajes antes da concretagem, deixando para furá-las no momento da montagem dessas tubulações: atividades independentes = maior produtividade / qualidade.

f. Vãos

Recomendação
Evite trechos de paredes de pequenas dimensões.

Pequenos trechos de paredes, como por exemplo "bonecas" de portas, necessitam de vários painéis de fôrmas, reduzindo a velocidade de montagem. Caso utilize as "bonecas", faça-as com pelo menos 10 cm.

Da mesma forma, evite vãos de janelas muito próximos de paredes transversais.

Matriz Qualitativa com as Principais Variáveis

Acesse também:

Aplicação da modulação em um projeto (pdf)

Parametrização de custos entre projetos modulados e não modulados (xls)