Estrutura de Concreto

Compatibilização

A compatibilização de projetos é uma forma de analisar os diversos projetos, procurando solucionar interferências que não devem ser resolvidas durante a execução da obra. Ela permite a integração das soluções adotadas para os diversos subsistemas. A compatibilização dos projetos de um edifício tem por função principal a integração das soluções adotadas nos projetos de arquitetura, estrutura, instalações prediais, vedações, esquadrias, impermeabilização, contrapiso etc., assim como nas especificações técnicas para a execução de cada subsistema.

Alguns itens a serem compatibilizados dentre os diversos subsistemas de projetos:

Estrutura x estrutura
Ao desenvolver o projeto de estruturas, devemos observar alguns aspectos das peças estruturais.

Pilares
  • Executar os pilares evitando dentes ou requadros com as vigas, mantendo as espessuras iguais
  • Executar pilares com dimensões constantes ao longo dos andares, procurando modificar as fôrmas na passagem do subsolo para o térreo. Se utilizarmos concreto de alto desempenho, esta recomendação pode não ser válida; devemos fazer uma análise de valor entre o excedente de concreto gasto para manter a seção do pilar constante e o custo da modificação das fôrmas
  • Evitar formas de difícil execução na obra, privilegiando formatos retangulares e quadrados

 

Vigas
  • Evitar a utilização de vigas invertidas, principalmente junto aos pilares, pois dificultam a execução de gastalhos e atrapalham o ciclo de concretagem
  • Manter uniformes as alturas das vigas de um mesmo pavimento
  • Evitar a execução de encontro de vigas em ângulos agudos, pois complicam tanto a montagem das fôrmas como a desforma 

 

Lajes

  • Evitar panos de lajes com diversas espessuras dentro de um mesmo pavimento
  • Manter as cotas de fundo de laje no mesmo pano
  • Compatibilizar espessuras com as armaduras embutidas na mesma - malha positiva, malha negativa, cobrimentos, reforços etc.
  • Verificar as deformações previstas para os panos de laje muito extensos, sobretudo nas regiões que não contarão com camada de regularização de piso


Estrutura x alvenaria

Na compatibilização entre os projetos estrutural e de alvenaria devem ser observados os seguintes itens:

Pilares
  • Compatibilizar a largura dos pilares com as alvenarias, evitando dentes no acabamento
  • No caso de pilares inclinados ou chanfrados, executar os chanfros perpendiculares às alvenarias; o encontro da alvenaria com a estrutura deve ser de topo

 

Vigas
  • Projetar as vigas evitando dentes e requadros com as alvenarias, tornando as espessuras compatíveis
  • Procurar modular as alturas de vigas de acordo com o projeto de alvenaria e de caixilharia, tornando, sempre que possível, a quantidade de fiadas de blocos um número inteiro

 

Estruturas x instalações
Compatibilizar o projeto de instalações (elétrica, hidráulica, ar condicionado, exaustão, sprinklers, automação etc.) com o projeto estrutural é vantajoso, evitando retrabalho.

 

Vigas
  • Compatibilizar os furos previstos nos diversos projetos, locando-os e marcando-os com exatidão no projeto estrutural
  • Verificar se estes furos não interferem nas armaduras ou estão com dimensões compatíveis com a altura da viga
  • Verificar as espessuras de eletrodutos passantes nas vigas até o limite imposto pelo calculista
  • Locar e verificar se os pontos de luz no teto não coincidem com posições de vigas
  • Locar e verificar se as prumadas hidráulicas não coincidem com posições de vigas

 

Lajes
  • Prever na fôrma, assim que o projeto de instalações definir, a locação exata das passagens de prumadas e shafts
  • Verificar se na espessura projetada da laje “cabem” as tubulações embutidas e as armações positiva e negativa
  • Verificar as dimensões dos sulcos criados para passagens de tubulação de gás com a espessura da laje, armações e vigas
  • Verificar todos os rebaixos criados nas lajes considerando as tubulações embutidas

 

Estruturas x acabamento

Os aspectos ligados ao acabamento da obra devem ser observados desde o projeto de estrutura.

Pilares
  • Compatibilizar a locação de pilares com a arquitetura
  • Compatibilizar a locação dos pilares com as vagas de garagem 

 

Vigas
  • Atentar para os tipos de revestimentos a serem utilizados nas paredes e a necessidade de espessuras diferenciadas para as vigas e a alvenaria
  • Verificar as alturas dos peitoris e dimensões dos caixilhos para evitar a execução de vergas sobre os mesmos
  • Verificar tipo, material e dimensões das portas para evitar que as vigas impeçam sua instalação posterior, evitando cortes e fragilização das folhas ou a execução de portas sob encomenda
  • Verificar o detalhe de arremate dos forros nas varandas, compatibilizando as alturas das vigas com os caixilhos e forros
  • Compatibilizar a posição e altura das vigas com as passagens das rampas de garagem e escadas 
  • Atentar para a previsão de rebaixos em vigas quando houver:

- mudança de níveis na arquitetura (terraços, térreo interno e externo, jardineiras, escadas etc.)

- chumbamento de contra-marco de porta se não houver contrapiso na laje

- atentar para rebaixo na face das vigas invertidas nas regiões onde haverá impermeabilização

  • Sendo necessário encobrir as vigas, compatibilizar a altura das mesmas com as cotas de forros; atentar para a região de arremate do forro nas bordas

 

Lajes
  • Compatibilizar níveis da estrutura com espessuras previstas para os revestimentos de piso
  • Compatibilizar rebaixos com as cotas previstas para o piso acabado e desníveis
  • Compatibilizar rebaixos com a impermeabilização

 

Estrutura x elevadores

  • Para a caixa de elevadores, compatibilizar os pilares que suportam a caixa de corrida dos elevadores com as dimensões e folgas necessárias para a obra e instalação do mesmo
  • Criar condições favoráveis à desforma, principalmente nos pilares que formam a caixa de corrida do elevador, se esta tiver formato em "C"; verificar sua real necessidade