Estrutura de Concreto

Orçamento

A elaboração de um orçamento é muito útil para:

• Melhorar os processos e obtenção de maior produtividade
• Analisar e reduzir os custos de produção

Uma atenção especial deve ser dada à etapa de levantamento quantitativo. É o princípio do trabalho. Para que seja bem feito, os projetos devem estar atualizados e completos. Todos os itens devem ser levados em consideração, e reuniões com o pessoal de planejamento serão importantes para discussão dos métodos e processos construtivos. Geralmente, a maioria dos orçamentos peca pela:

• Falta de organização das informações
• Ausência de alguns elementos de custo
• Desatualização de quantidades e preços
• Distância da realidade de execução
 

Principais itens:

Existe um único orçamento para cada obra e para cada tipologia de construção. Mesmo assim, veremos quais são os principais itens de um orçamento convencional.

 

Concreto

Neste item, alguns cuidados devem ser tomados:

Perdas

Nunca esquecer de considerar as perdas do concreto. Elas representam o percentual que excede o quantitativo levantado em projeto. Decorrem basicamente do desperdício durante a concretagem (concreto que cai), da diferença de volume pedido à concreteira e o de fato entregue, do aumento da espessura das lajes na concretagem e das sobras (a programação do pedido sempre dá uma "folga").

Discriminação

No orçamento, é conveniente que os diversos tipos de concreto sejam caracterizados. Normalmente, podem ser diferenciados - inclusive os preços - pela resistência (Fck), slump e forma de lançamento (o concreto bombeado tem sobretaxas em relação ao convencional).

Controle tecnológico

Ele existe, é utilizado pela maioria das empresas e custa dinheiro. Não deve deixar de fazer parte desse item.


Dicas
Procure sempre executar esse levantamento obedecendo à ordem de execução da obra. Essa sequência lógica ajuda a evitar erros. Normalmente, quanto maior for o volume concretado em uma mesma etapa, menores serão as perdas. Assim, quando possível, recomenda-se acumular maiores volumes de concretagem em um mesmo dia. Isso é ainda mais sensível quando a concretagem se dá com bombeamento.

 

Aço e Telas

Perdas

Também podem existir e devem ser levadas em conta no processo orçamentário. Mas aqui valem algumas distinções:
• Se o projeto indica o aço convencional e a armadura é cortada e dobrada na própria obra, existem perdas significativas no corte, resultando em sobras (pontas).
• Já se a construtora opta pela terceirização do corte e dobra, normalmente esses fornecedores cobram perda zero.
• No caso das telas metálicas, deve-se considerar o traspasse entre painéis, nas franjas e na ancoragem das telas dentro das vigas.

Preço unitário

O preço do aço em barras varia de acordo com a bitola. Assim, o orçamento mais preciso é aquele que atribui preços específicos a bitolas diferentes, tendo como base o resumo de aço encontrado nos projetos estruturais.

Diversos

Existem outros gastos com aço que não estão nos projetos estruturais, mas que fazem parte desse serviço na obra. É o caso da confecção de caranguejos, barras de distribuição, ganchos, entre outros. Esse peso pode chegar a 2% de todo o aço da obra.

Arame

Não esquecer de considerar, também, o arame recozido utilizado no ponteamento e fixação da armadura. Ele é medido por Kg e o consumo é muito grande.

Controle tecnológico

Considerar no orçamento o controle tecnológico de todo o aço.

 

Dicas

As pontas das sobras podem ser reaproveitadas como caranguejos, ganchos etc. A maioria das empresas de "aço pronto" não fornece peças de apoio, como caranguejos, por exemplo. Entretanto, dependendo do porte da obra e do relacionamento com a construtora, exceções podem ser abertas. E vale a pena. É engano pensar que o uso de tela metálica prescinde do arame. Além do uso na montagem de pilares e vigas, muitas vezes ele é usado também na amarração de apoio em telas.
 

Fôrmas e cimbramento

Dimensionamento das fôrmas

A quantidade de fôrmas a ser utilizada e orçada é definida a partir do planejamento. O plano de ataque e os ciclos de produção irão determinar o número de jogos de fôrmas e o sistema adotado.

Reutilização e reformas

O orçamento deve considerar o potencial de reutilização das fôrmas, em função da tecnologia e material adotado. Além disso, o planejamento fornecerá o plano de ataque, de onde pode-se estimar as reformas nas fôrmas.

Acessórios diversos

Muitas vezes esquecidos, os acessórios e complementos para as fôrmas devem fazer parte do orçamento de estruturas. São eles os principais:

• Desmoldante
• Prego comum
• Prego de aço
• Espaçadores plásticos
• Distanciadores plásticos
• Barras e porcas de ancoragem
• Tubo de pvc para as barras de ancoragem
• Isopor
• Madeiras diversas (sarrafos, pontaletes)
• Cunhas de madeira
• Pranchão para apoio do cimbramento no solo
• Graxa (para lubrificação de escoras) etc.

Locação do cimbramento metálico

Caso a opção seja pela locação de cimbramento metálico, por mais eficiente que sejam todos os profissionais da construtora, é difícil que não haja custos extras neste item. Assim, para evitar surpresas, é recomendável que o orçamento disponibilize uma verba para indenizações, que vão desde a simples pintura de escoras até a reposição de equipamento danificado ou perdido.

Dicas
Vale a pena designar um conferente a cada carga ou descarga de fôrmas e cimbramento. Além disso, fazer um inventário periódico de todo equipamento locado pode evitar surpresas desagradáveis na hora da devolução total das peças.

Fretes
Deve também o orçamentista considerar verbas para fretes. Eles serão usados no transporte das fôrmas, cimbramentos, no aluguel de equipamentos, manutenções e transportes de modo geral.

Dicas
Não esquecer de considerar, conforme o sistema adotado e o planejamento da obra, um jogo a mais para fundo de vigas e faixas de reescoramento. A fim de se evitar conflitos entre o orçamento e a obra, é útil que se faça um  "acordo" com a produção, para que se chegue a um nível de reutilizações de fôrmas compatível com a realidade, métodos executivos e cuidados no canteiro.

Equipamentos de transporte

Na consideração dos equipamentos de transporte, especialmente nos de transporte vertical (gruas, guinchos, elevadores), o orçamento deve atentar a custos que vão além do valor de locação. São eles:
• Transporte de ida e volta do equipamento
• Montagem e desmontagem
• Execução de blocos de apoio
• Custo do operador
• Ascensão
• Estaiamento
• Manutenção

No caso de equipamentos específicos, como guindastes, tratores, retroescavadeiras e afins, é mais interessante estabelecer um contrato a preço fixo e fechado, por empreitada ou serviço executado global.

Outros equipamentos e serviços

Em uma obra, especialmente na fase de estruturas, é intensivo o uso de equipamentos, em especial os de pequeno porte, além de materiais básicos como:
• Furadeiras
• Serras
• Serrote
• Martelo
• Trena
• WC móvel
• Escadas metálicas
• Almoxarifado móvel
• Carrinhos (tipo plataforma ou caçambinha)
• Cimento
• Areia
• Discos de corte
• Madeiras em geral etc.

Outro custo indesejável, mas que deve ser considerado é o de remoção de entulho. O orçamento pode estimar um número de viagens de dejetos por período específico.

Mão de obra direta

É um dos itens de maior peso na fase de estruturas. No caso de utilizar mão-de-obra direta própria, o orçamento deve estar atento aos seguintes itens:
• Custo e quantidade de horas normais
• Custo e quantidade de horas extras
• Premiação
• Encargos sociais (variam de região para região)
• Férias
• Benefícios (alojamento, refeições, transporte)
• Incidência de Dissídio da categoria durante a obra

Já no caso de a construtora terceirizar a execução, além de todas as precauções normais de contratação, é recomendável que o orçamento considere a existência de verbas referentes a serviços extras, não constantes do contrato com o subempreiteiro.

Custos indiretos

Considera-se no orçamento toda a mão-de-obra indireta do canteiro, como: 
• Engenheiro
• Mestre
• Encarregados
• Administrativos
• Almoxarifes
• Todos os encargos sociais e benefícios pertinentes

Os consumos de água, luz, telefone, transmissão de dados, seguros de obra, impostos municipais e aluguéis (se houver) também devem constar desses custos.

Custo da não conformidade

Em algum momento do empreendimento, as não conformidades provenientes da má execução da estrutura irão provocar custos extras. Obviamente, devemos evitar que ocorram, mas o orçamento pode, por decisão estratégica da empresa, alocar alguma verba para disfunções, como:
• Desaprumo de pilares
• Desnivelamento de lajes (face superior e inferior)
• Desaprumo, desnivelamento e desalinhamento de vigas
• Bicheiras no concreto
• Exposição de armaduras
• Retrabalhos de ordem geral

Custo da segurança

Podemos dizer que não se trata de custo, mas de um investimento para a não ocorrência de custos que podem ter proporções muito grandes. O orçamento deve refletir a preocupação das obras e considerar custos para: 

• Equipamentos de proteção individual (EPI)
• Bandeja de proteção fixa
• Bandejas de proteção móveis
• Sinalização de modo geral
• Fitas, cordas, cabos, telas e demais dispositivos de segurança coletiva
• Higiene do trabalho